Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cronicamente Fabulosa

Tenho fibromialgia, mas também sou fabulosa e esta é a grande aventura que é a minha vida.

Cronicamente Fabulosa

Tenho fibromialgia, mas também sou fabulosa e esta é a grande aventura que é a minha vida.

Junta Médica.

por AF, em 01.03.19

Se há coisa neste mundo que me assusta mais do que palhaços são as palavras "junta médica". É só falarem-me disso que os cabelos na minha nuca se eriçam todos e o meu estômago começa às voltas. 

Imaginem a minha cara quando há cerca de duas semanas descobri que hoje à tarde me esperava a tão famosa dita consulta da junta médica onde um bando de médicos que nunca me viu na vida iria decidir se eu continuava suficientemente doente para estar de baixa ou se estava óptima, fantástica, maravilhosa e pronta para voltar ao activo.

Não me interpretem mal. Eu quero voltar a trabalhar. Quero construir uma vida e uma carreira que me possa tornar uma verdadeira adulta. Ser alguém. Viver e não existir só.

Mas eu ainda não estou bem. Ainda há muita coisa trancada dentro da minha cabeça que tem que ser arrancada cá para fora, analisada e resolvida. Estou no início desta pequena aventura mas já descobri que existe muito para remexer. Estou a tentar, disso tenho a certeza.

Acontece que a junta médica não é propriamente conhecida por ter as pessoas mais simpáticas do mundo a trabalhar lá. Normalmente, entra-se na sala e deparamo-nos com médicos mal encarados que nos querem mandar trabalhar estejamos a morrer ou não. Por isso, não é uma surpresa quando ouvimos pessoas verdadeiramente doentes saírem de lá irritadas, deprimidas, frustradas e revoltadas porque num espaço tempo de minuto e meio alguém que nunca os conhecera anteriormente decidiu que estavam óptimos para trabalhar, só porque sim.

Eu sei que é tudo por causa de uma minoria (ou não) de pessoas que acham que podem enganar a segurança social e viver à custa de uma entidade que todos pagamos apenas porque não lhes apetece trabalhar. Mas temos que pensar nos outros: aqueles que estão mal e que precisam de ajuda. E, acima de tudo, que precisam de tempo para ter essa ajuda.

Só que hoje.... hoje foi diferente! A ansiedade estava lá, a dar cabo de mim tal como se eu tivesse acabado de comer um iogurte estragado. Continuava mal disposta, nervosa, pronta para desistir de respirar e atirar-me para o chão. Estive assim até ser chamada e entrar no consultório onde duas senhoras simpáticas estavam à minha espera. Acreditam nisto?! Simpáticas!

Nem dois minutos estive lá dentro. Fizeram-me uma ou duas perguntas básicas, leram os meus relatórios e mandaram-me embora com um papelinho que me dava autorização para continuar de baixa e consequentemente continuar o meu tratamento diário.

Porque acreditem ou não, é importante que continue a fazer o que tenho estado a fazer nestes últimos dois meses para que um dia possa finalmente dizer que estou bem. Vai demorar, eu sei bem que vai demorar, mas o importante é não desistir.

E sei que isto de sermos apenas números e de termos pessoas desconhecidas a decidirem o nosso futuro com míseros minutos de "conversa" e sem olharem para nós como realmente somos, como realmente sofremos. Mas esse é um tema para outro dia.

Talvez nos próximos capítulos.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D